Coma

Uma tênue linha entre o desejo, a realidade e o sabor precário do destino! Quem dera os vivos e ou os pré-mortos pudessem escolher o que há de ser nas próximas horas, dias e meses?! O sabor amargamente derradeiro do destino “traçado” pelo tal “deus oni….tudo” ainda fere a crença dos tolos por pensarem que isto ou aquilo ainda é obra “dele”, capaz!!! Antes fosse isto mesmo para que eu pudesse ter ódio de algo real pois se “ele” existisse, ahhhhhhhhhh, eu já o teria matado afinal, quem não protegeria os seus?! “deuses de m…”

A figura icônica daquela que chora e vela sua própria carne é tão dolorida de se ver, sentir e partilhar que aos meus olhos, cintilantes e liquidas formas se fazem brotar. Seria e será triste vê-lo partir ao breu da inexistência, simmmm, acabou, o trajeto finalizou, uma luz seja qual for sua cor, apagou! A tristeza me corrói, me amargura, mas prefiro externar uma paz solitária, uma paz alegre para que seus feitores tenham um pouco de felicidade em meio a tanta falta que mesmo distanciado como sempre, ele fará! Irmão do nome, da carne, dos veios familiares, se seu caminho entre nos findou, saiba na sua forma de energia que mesmo assim, parte dela ainda permanecerá nesta terra seja por seus pais, irmãos e filhos (e que se diga, quantos filhos heim?! Lindas formas de vida!) e em memória você viverá a eternidade de nossas vidas!

Adeus, irmão!

Charles Monteiro

Paranaguá, 17/05/2019

Fim.